EPQB EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ EPQB - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Inovação - O Combustível do Futuro
  17. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  18. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1: Hidrocraqueamento de Frações Pesadas
  19. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 2: Hidrotratamento de Destilados
  20. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo
  21. Monoethylene Glycol as Hydrate Inhibitor in Offshore Natural Gas Processing
  22. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  23. Oportunidades em Medicamentos Genéricos
  24. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural
  25. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  26. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  27. Potencialidades do Cajueiro
  28. Processos Inorgânicos
  29. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  30. Reúso de Água em Processos Químicos
  31. Setores da Indústria Química Orgânica
  32. Technology Roadmap
  33. Tecnologia do Hidrogênio
  34. Tecnologia Enzimática
  35. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  36. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  37. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Teses de Doutorado Defendidas: 2010

Estudo do Efeito Biocida do Cloro e do Peróxido de Hidrogênio em Sistemas de Resfriamento com Reúso de Efluente como Água de Reposição.

Autora: Andréa Azevedo Veiga
Orientadores: Juacyara Carbonelli Campos, Lídia Yokoyama, Luiz Alberto Teixeira.

Resumo

Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito biocida do cloro e do H2O2, em sistemas de resfriamento, com reúso de efluente como água de reposição. Para isso, experimentos foram conduzidos em sistemas piloto de torres do tipo "árvore", usando soluções comerciais de NaOCl e de H2O2, mantendo-se concentrações de cloro residual livre de 0,2 mg.L-1 e 0,5 mg.L-1, e concentrações residuais de peróxido de hidrogênio de 0,5 mg.L-1, 2,0 mg.L-1, 4,0 mg.L-1 e 6,0 mg.L-1. Além do efeito biocida, taxas de corrosão também foram avaliadas.

Medidas de perda de massa em cupons de aço carbono AISI 1020 (AC), cobre CDA 110 e aço inox AISI316 (AI), revelaram taxas de corrosão, na presença de produtos inibidores de corrosão e dispersantes, entre 2 e 3 mpy ao AC, menores que 0,3 mpy ao cobre, e inexpressíveis ao AI para todos os sistemas.

O monitoramento da contagem de bactérias planctônicas (BHT), nas águas recirculantes mantidas com cloro, revelou valores abaixo do limite de 104 UFC.mL-1, recomendado para águas de resfriamento. Entretanto, para as concentrações de peróxido de hidrogênio avaliadas, valores superiores a 104 UFC.mL-1 foram observados. O monitoramento da contagem de bactérias sésseis sobre biocupons, após 31 dias de estudo e independentemente da concentração residual mantida para ambos os biocidas, indicou taxas de crescimento microbiano semelhantes para o AC, decrescentes para o cobre e crescentes para o AI.

A presença de Pseudomonas aeruginosa catalase positiva foi identificada para as bactérias planctônicas e sésseis durante os estudos conduzidos com 6,0 mg.L-1 de H2O2. Nas concentrações estudadas, apesar do cloro ter promovido um melhor controle sobre as bactérias planctônicas, ambos os biocidas apresentaram semelhantes taxas de corrosão e atuação sobre a formação de biofilmes.